CCLI Consultoria Linguística Menu
Por que não sinto evolução no meu aprendizado?

Por que não sinto evolução no meu aprendizado?

“Já estudo há 3 anos e não consigo sair do mesmo nível.”. Já falou ou pensou essa frase alguma vez? Sim?

Bom, então continue lendo, temos dicas interessantes aqui para você!

Para começar, você não é a única pessoa que passa por isso e sente que não está evoluindo no seu aprendizado de língua estrangeira. Sabe por que isso acontece?

Platô intermediário

Quando estamos em um nível básico, aprendemos muitas palavras e expressões novas. Tudo é novidade. Sendo assim, é mais fácil perceber nossa evolução, parece que estamos aprendendo mais rápido. Mas, quando estamos em um nível intermediário, muitas vezes temos uma sensação de desaceleração. Mas será que você desacelerou mesmo?


A desaceleração do aprendizado de uma língua estrangeira, até o ponto em que o estudante estaciona num patamar mediano, é chamado de “platô intermediário”. Parece que não está evoluindo como antes, que o conteúdo é sempre o mesmo, que só aparecem palavras estranhas e complicadas. Tudo isso pode levar a uma baixa motivação e insegurança de falar.

Quer saber como sair deste platô?

Neurociência

A não percepção de evolução é um fenômeno muito comum, não só no nível intermediário, e a razão pela qual tantas pessoas chegam a esse ponto de estagnação tem relações com questões neurológicas.

Questões emocionais: Em geral, somos muito sensíveis às críticas relativas à nossa forma de falar um idioma. Então uma correção e/ou um feedback feitos sem muito tato podem deixar marcas negativas na nossa relação com a língua estrangeira. Isso pode  acarretar o medo na hora de falar, o julgamento, etc.

Disposição psicológica para o aprendizado: Não tenha medo, todo mundo erra! Sabe aquele momento em que você quer falar, mas trava? O que causa isso é sua ansiedade que, além de  lhe fazer travar, atrapalha a sua evolução. Portanto não tenha medo.Tenha uma postura mais produtiva, esteja aberto a tentativas e erros.

Existe também o papel das habilidades cognitivas de cada pessoa, ou seja, a forma como cada um consegue aprender. Quem consegue aprender  informações sobre pronúncia, gramática, significado e formação de palavras, e colocar em prática no momento da fala, consegue ter melhor aproveitamento e aprendizado.

O que posso fazer?

A única forma de não evoluir é não praticar. Vemos, na internet, vários cursos “aprenda inglês em 2 meses”. Sinceramente, chegar em uma proficiência avançada no tempo proposto é impossível, mas o segredo desses cursos é o tempo de exposição. Quanto mais praticamos, mais evoluímos. Então seja ativo no seu processo de aprendizagem.

Todos já utilizamos a desculpa “Não tenho tempo”. Organize o seu tempo, faça um plano de estudos, garanta que você tenha exposição ao idioma e, sempre que puder, use expressões e palavras na língua estrangeira estudada durante o seu dia. Por exemplo: faça a lista de compras no outro idioma. 

Encontre o que lhe motiva. Somos movidos pelo prazer e motivados a desenvolver atividades que nos fazem felizes. Da mesma maneira, o nosso cérebro tende a memorizar o que é mais interessante e prazeroso e esquecer aquilo que é desanimador para nós.

Comece a olhar para seus resultados: ao ler um livro ou assistir a um vídeo, quantas palavras novas  consegue perceber e/ou entender? Uma, duas, cinco ou vinte? Parabéns! Perceba, e metrifique seus objetivos. É mais fácil  reconhecer o nosso resultado quando temos metas clara estabelecidas.

Inclua seu aprendizado em um contexto. Por exemplo: sabe por que pessoas que moram no exterior ou tem experiência com intercâmbio aprendem mais rapidamente? Porque, além de tem uma maior necessidade de compreender e de se expressar, o aprendizado está dentro de um contexto específico.Por isso o aprendizado é mais veloz. Não é necessário morar em outro país, é suficiente que encontre um contexto, como participar de eventos de bate-papo  e utilizar sites onde tenha contato com outras pessoas que falam a língua estrangeira.

Não existe mágica. Encontre o jeito melhor de você praticar o que você mais gosta e que consegue inserir na sua rotina.

Por: Elena Mosole – Consultora de Língua italiana